Recursion – Blake Crouch

Recursion (algo como Recursão/Recursivo) é o mais novo livro de Blake Crouch o autor de Matéria Escura, um dos melhores livros de ficção científica que já li. Eu estava muito intrigada para saber como seria a próxima história escrita pelo autor e por conta disso fui com altas expectativas para a leitura de Recursion

Ele fez as pazes com a ideia de que parte da vida é encarar suas falhas e, às vezes, essas falhas são as pessoas que você amou.

No livro temos dois protagonistas e dois pontos de vista na narração. A narrativa é dividida em cinco partes intituladas “Livro um”, “Livro dois” e assim por diante.

Barry Sutton é um policial de Nova Iorque que está investigando um fenômeno conhecido como Sindrome da Memória Falsa, uma condição que acomete pessoas com memórias de uma vida que elas nunca viveram, deixando-as loucas.

A Neurociêntista Helena Smith entende o poder da memória. É por isso que ela dedicou sua vida para criar uma tecnologia que nos permitirá preservar os momentos mais preciosos de nossos passados. Se ela concluir seu projeto qualquer um será capaz de re-experimentar seu primeiro beijo, o nascimento de uma criança, o último momento com um ente querido e etc.

A verdade é que ele faz isso constantemente. Ele está sempre olhando para trás, vivendo mais em memórias do que no presente, sempre alterando-as para que fiquem mais bonitas. Para torná-las perfeitas. Nostalgia é tanto um analgésico para ele quanto o álcool.

O cerne de Recursion é a memória. A maneira como o autor trabalhou com o tema foi ótima, intrigante, e incluiu umas passagens lindamente escritas. O livro trabalha com a combinação da memória e do tempo e discorre sobre como os dois estão intimamente ligados. Há tantas reviravoltas e camadas no livro que achei muito coerente o autor ter dividido as partes em “livros” pois cada nova seção traz tanto frescor, novidade, e metamorfose para a narrativa que a sensação é de estar lendo um livro completamente diferente. Como se Recursion fosse realmente cinco livros em um.

Ele se pergunta ultimamente se é isso que viver realmente é — um grande adeus para aqueles que amamos.

Por pouco mais da metade do livro (acho que os três primeiros livros) o ritmo da leitura é realmente elétrico, muito como experiênciei em Matéria Escura, viciante e impossível de largar. Meu real problema com Recursion foi no final. O Livro Cinco foi arrastado e quase que por 80 páginas meu único pensamento era que deveria ser mais curto. Além desse prolongamento desnecessário no desfecho (que tornou a leitura tediosa) a resolução final se deu em umas seis páginas o que me deixou realmente incomodada. Afinal houve uma excessividade onde não devia e onde o encerramento poderia ser mais bem trabalhado houve uma simplicidade insatisfatória. Por esses motivos que minha classificação ficou em quatro estrelas. 

Uma coisa curiosa sobre essa experiência de leitura foi que eu não senti nenhuma conexão/apego com nenhum dos personagens, foi uma leitura onde fiquei bem afastada deles, mas foi uns experiência nova e também não foi negativa ou de alguma forma atrapalhou minha leitura. Foi apenas diferente.

Mas em uma noite como essa, de uma mente incansável e de sonhos com fantasmas, o tempo parece secundário perante o maior impulsionador — a memória. Talvez a memória seja fundamental, a coisa de onde o tempo emerge. A dor da memória se foi, mas ele não inveja sua visita. Ele viveu o suficiente para saber que a memória doeu porque muitos anos atrás, ele experimentou um momento perfeito.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.