The Testaments – Margaret Atwood

The Testaments, é a aguardada sequencia de O Conto da Aia, romance publicado há 34 anos pela autora canadense Margaret Atwood.

The Testaments (Os Testamentos) se inicia 15 anos depois dos eventos de O Conto da Aia e é narrado por três personagens, todas mulheres, sendo elas: Tia Lydia, figura já conhecida (e temida) em o Conto da Aia, e duas adolescentes, uma vivendo em Gilead e outra no Canadá. Por conta de possíveis spoilers não vou mencionar quem são as duas porque acredito que não irá afetar a resenha.

Apesar de contar com um começo promissor a história de The Testaments não foi o suficiente para me cativar como um todo, e nem para que eu desse uma nota maior do que três estrelas. O que no início do livro parecia ser algo bom, ter finalmente algumas revelações há muito esperadas, rapidamente se tornou algo negativo. Após essa constatação meu maior pensamento durante a leitura passou a ser há poder nas coisas não ditas.

E isso gerou um paradoxo em minha mente pois apesar de entender que The Testaments não é um completo desperdício em sua existência, comecei a me questionar se ele era realmente necessário. Na mesma medida, o fato de The Handmaid’s Tale ter sido renovada para sua quarta temporada também me incomoda, afinal não era necessário que a história alonga-se tanto, não importando o tipo de respostas e resoluções aos quais nos agarramos para justificar sua prolongada presença nas telas de tv ao redor do mundo. E isso também me gerou um outro pensamento, já que The Testaments avançou muito mais do que a série de tv, talvez a própria autora tenha vontade de que o fim daquilo que começou em O Conto da Aia esteja sob seu controle, que o final seja nos termos dela, isso é algo que eu também consigo aceitar.

Voltando a questão da história, achei os capítulos da Tia Lydia extremamente cansativos de ler, a voz dela não me cativou nem um pouco e toda vez que chegava um novo capítulo eu tinha preguiça de continuar a ler. Quanto as duas adolescentes, a narradora que vive em Gilead foi bem interessante de ler durante boa parte do livro, e ver como ela via tudo aquilo que Gilead construiu como real, correto e bom foi realmente assustador. Já a outra adolescente é simplesmente insuportável, mas acredito que boa parte da construção de sua persona foi para criar um grande contraste entre as duas adolescentes e suas realidades. Outra coisa que me irritou bastante foram os inúmeros cliffhangers nos fins de capítulo, praticamente todos os capítulos terminavam dessa forma, o que depois de um tempo acaba sendo meio repetitivo.

Acredito que um dos grandes defeitos de The Testaments seja que ele não tem nem metade da carga emocional presente em O Conto da Aia, já que a narração de Offred em primeira pessoa e com conhecimento e perspectiva limitados daquilo que está ao seu redor nos transmite uma sensação de medo e até mesmo uma espécie de sufocamento enquanto narra sua história. Eu, assim como muitos, fiquei completamente chocada com o final de O Conto da Aia e senti que precisava saber o que viria a seguir. E foi só lendo The Testaments que aprendi uma importante lição depois de 22 anos de minha vida de leitora, a ambiguidade pode ser algo chave para uma narrativa. O final de O Conto da Aia é repleto de ambiguidade, pois somos deixados nos perguntando o que aconteceu, esperando o pior, mas torcendo para o melhor. E ao nos dar as respostas The Testaments retira um véu de cima de nossas cabeças, colorindo entre todas as entrelinhas. De fato esta leitura me fez valorizar ainda mais a grandeza presente em O Conto da Aia. Não foi um livro que me arrependi de ler, na verdade fico feliz de tê-lo feito, mas admito que sozinho ele não tem tanto poder para se sustentar, o que lhe dá um pouco mais de força é saber que ele esta inserido neste universo criado, de Gilead e Aias e totalitarismo, e que isso em conjunto faz dele um livro melhor.

Os Testamentos será publicado no Brasil pela editora Rocco em Novembro de 2019.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.